Skip to main content

Basta!

Tragédia do Museu Nacional: arquitetos pedem um “basta” e propõem fundo de apoio para Patrimônio : “Os valores que nos identificam como sociedade não podem virar cinzas como o Museu Nacional”

“A destruição o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, não pode passar em branco. Essa tragédia deve servir como um grito de basta contra o abandono, negligência e destruição da memória nacional”, afirma em nota oficial o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil.

“O basta! deve vir de toda sociedade. Dos estudantes ao Presidente da República”, conclama o CAU/BR, acrescentando que “os valores que nos identificam como sociedade não podem virar cinzas como o Museu Nacional”. Leia+Mais→

CAU/SP lamenta incêndio do Museu

Em chamas, o Brasil amanheceu, mais uma vez, sob o impacto da tragédia anunciada do Museu Nacional, no Rio de Janeiro

Museu Nacional

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo externa seu profundo pesar diante do incêndio que consumiu neste domingo, 02/09, o palacete imperial que abrigava um dos cinco maiores museus de História Natural do mundo: o Museu Nacional da Quinta da Boa Vista, criado por D. João VI, em 6 de junho de 1818.

Perde o país e toda a humanidade é abalada. Sobretudo pelo descaso, perde-se parte significativa da identidade cultural brasileira, feita com base na apropriação e valorização de heranças e representada pelas técnicas construtivas de sua Arquitetura, coleções, pesquisas e patrimônio humano. Leia+Mais→

Assistência técnica gratuita para o projeto

Arquitetos e engenheiros apelam para que a assistência técnica gratuita para projeto, reforma ou construção de moradia popular, já prevista em lei, passe a ser uma Política de Estado, independente de governos

caubr

Seminário de Assistência Técnica em Habitação Social que o CAU/BR e o CONFEA

Arquitetos e engenheiros, unidos, lançaram um chamamento para que a assistência técnica gratuita para o projeto, reforma ou construção de habitações de interesse social, já prevista em legislação de 2008, “seja mais do que uma lei, seja uma Política de Estado, como parte do direito social à moradia previsto na Constituição”, conforme afirmou o presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR), Luciano Guimarães. Leia+Mais→

Arquitetos propõem política habitacional

Entidades da categoria propõem política habitacional com múltiplas soluções e apresentam carta-aberta aos candidatos com 53 propostas, várias sobre moradia social

Rocinha

Contendo ao todo 53 propostas, o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil e o Instituto de Arquitetos do Brasil lançaram a “Carta Aberta aos Candidatos nas Eleições de 2018 pelo Direito à Cidade”.

“Nossas cidades pedem socorro, o Brasil tem competência técnica para tratar dos problemas urbanos e não faltam planos ou leis para tanto”, afirma o documento. “No entanto, é imperativo implementá-los, o que exige uma assertiva decisão política para colocar em prática uma reforma urbana baseada na função social da cidade prevista na Constituição de 1988 e regulamentada pelo Estatuto da Cidade”. Leia+Mais→

Atuação no mercado exterior

CAU/SP quer pequenos e médios escritórios de Arquitetura atuando no mercado exterior

causp

O CAU/SP – Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo está desenvolvendo um projeto de capacitação de pequenos e médios escritórios brasileiros de Arquitetura com foco no mercado internacional. “Podemos fazer muito mais se os nossos profissionais e escritórios estiverem capacitados para competir no exterior”, acredita José Roberto Geraldine Jr., presidente do CAU/SP.

Tocado em parceria com outras entidades do setor (Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura, e Apex-Brasil – Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos), o projeto pretende implementar um programa contínuo de orientação para a montagem de estruturas voltadas à exportação, gerando empregos e renda, além de estimular as participações dos escritórios em eventos internacionais do setor e também promover interações e parcerias com programas governamentais em atividade. Leia+Mais→

CAU critica MP do Saneamento Básico

Para entidade, proposta afronta o desenvolvimento saudável de nossas cidades

cau

A reforma do marco legal do saneamento básico proposta pela Medida Provisória 844/18, publicada dia 9 de julho no Diário Oficial, “é uma afronta ao desenvolvimento saudável de nossas cidades por sobrepor o interesse das empresas que operam no setor do saneamento básico ao interesse público”, no entendimento do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil.

Segundo manifesto da entidade, a MP fere a autonomia municipal ao impor aos municípios o chamamento público para demonstração de interesse do setor privado na prestação dos serviços. Hoje eles têm liberdade para decidir entre a operação direta, contratada ou consorciada com vizinhos. Leia+Mais→

CAU-SP sobre desabamento do edifício

Nota do CAU-SP, sobre incêndio e desabamento de edifício no centro da capital, pede urgência na implementação de uma política consistente para habitação e patrimônio cultural

causp

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo se solidariza com as famílias das vítimas do incêndio e desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida e lamenta que a tragédia torne explícito mais um exemplo do descaso do Poder Público, em todas as esferas, com o atual quadro urbanístico das nossas cidades e com ausência recorrente de uma Política Habitacional Nacional consistente aliada a preservação do Patrimônio Histórico de São Paulo. Leia+Mais→

FNA sobre Ocupação Paissandu

Nota da FNA em solidariedade às vítimas da tragédia em São Paulo

Paissandu

A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA) vem a público lamentar a tragédia ocorrida na madrugada deste 1º de maio no centro de São Paulo (SP) com o incêndio e desabamento da Ocupação Paissandu.

O edifício Wilton Paes de Almeida, um significativo exemplar da arquitetura moderna, foi projetado em 1961 pelo arquiteto Roger Zmekhol. Em 1992, foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo. Leia+Mais→